Visualizações

16/01/2011

Procura-se



Quando a saudade chegar... mate-a.
Quando o amor desaparecer... Procure-o.
Quando o silêncio acontecer... procura que as tuas palavras sejam melhores que ele.
Quando a lágrima cair... não se assuste, que mesmo estando triste ou feliz, será um bom sinal de que você ainda possui sentimentos.
E quando o passado vier à tona... tenha certeza de que valeu a pena!

3 comentários:

  1. Olá, Katiucia!
    Entrei no seu blog para conhecer você. Mas pouco consegui ver de negro que está... Não poderá postar isso em fundo branco?
    De qualquer modo, queria desejar-lhe um óptimo 2011 cheio de sonhos realizados. Queria também deixar um pensamento talvez tolo, mas interessante para quem gosta de questionar o legado dos nossos antepassados:
    Acabámos de celebrar o Natal e... sabia que o Natal não existe? Curioso, não é?
    Pois: o Natal foi inventado pela Igreja para “cristianizar” as festas pagãs em honra dos deuses solares, Mitra e outros, que se celebravam, por todo o império romano, ao redor do solstício de Inverno, como início do renascimento para uma vida nova, a da Primavera. Teve o seu aparecimento no s. IV, na Igreja Ocidental (25 de Dezembro – calendário Gregoriano) e no s. V na Oriental (7 de Janeiro – calendário Juliano). A narrativa do nascimento de Jesus de Mateus, ampliada por Lucas (nada sendo referido nem em Marcos nem em João), uma e outra são puras invenções sem qualquer credibilidade histórica nem qualquer verosimilhança (No inverno, os pastores não dormem ao relento...) Portanto, o Menino Jesus do catecismo não existiu. Muito menos o Deus Menino! E o mundo inteiro festeja algo de inexistente... Dá que pensar, não dá? (Ver mais no meu blog “Em nome da Ciência” cujo acesso é: http://ohomemperdeuosseusmitos.blogspot.com)
    Agora, associando-me ao luto de nossos irmãos brasileiros e fazendo votos para que semelhantes tragédias não voltem a acontecer aí no país irmão, uma outra ideia: apesar das catástrofes que vão acontecendo pelo mundo, com muita probabilidade provocadas pelas alterações climáticas e ambientais devidas à acção do Homem, o mesmo Homem, através dos seus governos subjugados aos interesses económico-financeiros de alguns (5% da população mundial, isto é, os que detêm 95% da riqueza produzida à face da Terra), não vai pôr-lhe cobro; preferirá assistir a novas catástrofes em que, como de costume, os mais fracos e pobres são os que irão continuar a sofrer. Inutilmente! Há que lutar para mudar estes sistemas e estes modelos não só políticos mas também económico-financeiros. Como? – Ver no meu blog “Ideias-Novas” cujo acesso é: http://ummundolideradopormulheres.blogspot.com
    Francisco Domingues

    ResponderExcluir
  2. Foi um prazer se ter registado no meu blogue
    intemporal-pippas.Gostaria de a convidar a
    visitar um novo que criei, http://sinfoniaesol.
    wordpress.com
    ainda está a dar os primeiros passos.
    Beijinhos/Irene

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget